Banner2Bunner1Banner3

A SPEF esteve na apresentação pública da NP 4510:2015 relativa às Atividades de enriquecimento curricular e de apoio à família

Foi editada, pelo Instituto Português da Qualidade (IPQ), a NP 4510:2015 – Atividades de enriquecimento curricular e de apoio à família. Esta norma especifica os requisitos de qualidade na prestação dos serviços de atividades de enriquecimento curricular e de apoio à família, para crianças da educação pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, e suas famílias. Trata-se de um documento inovador no setor da educação, elaborado a pedido da Direção-Geral da Educação, que pretende certificar a conformidade do serviço prestado por entidades, públicas e privadas, com e sem fins lucrativos e  favorecer a transparência e o estabelecimento de relações de confiança entre as entidades e os seus clientes. Constitui, ainda, um recurso importante para os agrupamentos de escolas e restantes entidades que podem utilizar a Norma como um documento orientador no seu processo de autoavaliação e melhoria contínua dos processos e resultados.

 

A SPEF, enquanto membro desta Comissão que ajudou a construir esta norma , esteve presente no Seminário realizado no IPQ, no dia 9 de fevereiro, a convite da DGE - Direção-Geral de Educação. Na nossa intervenção, tivemos oportunidade de exprimir a nossa preocupação relativamente aos seguintes aspetos:

-  As AFDs - Atividades físicas e desportivas constituem atividades de enriquecimento curricular (logo voluntárias), sendo que o currículo - EEFM, sendo obrigatório, não é, na grande parte das escolas do país, leccionado;

 

- A formação dos professores responsáveis pela leccionação das AFDs, não sendo um aspeto dos mais críticos, é no entanto heterogénea necessitando de uma atenção permanente por parte das entidades que supervisionam a atividade;

 

- Os espaços e os materiais adequados à leccionação das AFDs, revelam-se também desiguais do ponto de vista da sua qualidade, requerendo uma avaliação e renovação permanentes.

 

Por último apontámos a nossa discordancia relativamente aos termos utilizados nesta Norma, a saber: técnicos (em vez de professores) e clientes (em vez de alunos e famílias). Sendo termos utilizados numa perspetiva de gestão, não se adequam, na nossa visão, à realidade do contexto pedagógico.

 

Lembramos que estaremos presentes numa iniciativa identica, na cidade do Porto, no próximo dia 24 de fevereiro 2015.

 

Socieadade Portuguesa de Educação Física - 2014