Bunner1Banner3Banner2

Os Presidentes da SPEF e do CNAPEF assinalam a necessidade de renovar as Políticas Educativas relativas à EF e DE

Na abertura e encerramento da Conferência As Políticas Educativas na Educação Física e no Desporto Escolar, os presidentes da SPEF e do CNAPEF reafirmaram a importancia da EF junto de um painel de deputados representativos das várias forças políticas com assento parlamentar.

 

 

Na sessão de abertura, o Professor João Lourenço, Presidente do CNAPEF, deu-nos a conhecer os oito momentes marcantes no desenvolvimento da Educação Física em Portugal:

 

1 – 1836 – Entrada da Educação Física no sistema educativo - 1º ciclo de escolaridade;


2 – 1940 – Criação do INEF, que comemora este ano 75 anos, reconhecendo a necessidade de formar professores de Educação Física;


3 – 1975 – Entrada da formação em Educação Física no Ensino Superior; 


4 – 1990 – 15 anos depois, com o Ministro da Educação Dr. Roberto Carneiro, entrou em vigor o Programa de Educação  Física, estabelecendo o que os alunos deviam aprender, exigindo determinadas instalações e materiais e promovendo a necessaria formação inicial e contínua de professores;


5 - 2001 - Processo de reajustamento dos Programas Nacionais de Educação Física tendo sido estabelecidas as regras de
avaliação para a disciplina com a definição das normas de referência para o sucesso;


6 – 2004 – O Ministro da Educação, Dr. David Justino  estabelece que a avaliação de Educação Física conta para o cálculo da média de acesso ao Ensino Superior;

7 -  2004 a 2012, são anos fundamentais para a afirmação da Educação Física, em pé de igualdade com as restantes do currículo nacional;


8 – 2012 – Verifica-se a inversão da curva de evolução da disciplina de Educação Física com a publicação do Decreto Lei139/2012 de 5 julho: A EF deixa de contar para a média de conclusão do Ensino Secundário; A EF deixa de contar para a média de acesso ao Ensino Superior; A EF vê reduzida a sua carga semanal; As Metas de Aprendizagem da EF, estando concluidas e bem elaboradas, ao contrário de todas as outras disciplinas, não têm data prevista de regulamentação.


Para este tipo de decisões não foram ouvidas as instituições representantes da disciplina (CNAPEF e SPEF), não se percebendo qualquer tipo de fundamentação para as mesmas.


O propósito desta Conferência é tentar perceber qual será o futuro perconizado para a EF e o DE no nosso país?

 

O Professor Nuno Ferro, Presidente da SPEF, encerrou os trabalhos, afirmando a importancia de um encontro com estas caraterísticas.

 

Veja o video que assinala esta intervenção.

 

Socieadade Portuguesa de Educação Física - 2014